quinta-feira, 4 de abril de 2013

Quereres



Não sei como, mas o desejo apareceu de repente.
Sonhou que tinha uma casinha e ela seria em frente ao mar, onde passaria
a velhice vendo o vaivém das ondas.
Confesso, endoidou-se! 
Ele na casa dos 56 decidira sonhar com o mar.
Sempre andara na roça, labutando com a terra, levantando postes de madeira, pastoreando os animais. Agora, se encantara com o cheiro da maresia. 
Como iria fazer? Nem no rio, eu o vira banhar-se. Suas mãos não conseguiriam jogar a rede, não pegariam o peixe. 
Desacreditei. 
Um dia, deixou a casa, a mercearia, os amigos, percorreu quilômetros até que colocou os pés na areia. 

Olhou
      suspirou
                  embriagou-se...

O mar ficou, o pai se foi.


Andréa Cristiana

Nenhum comentário:

Postar um comentário