quarta-feira, 11 de julho de 2012

Pela Verdade Histórica sobre o Golpe de 1964 em Juazeiro



Primeiro de abril de 1964, militares com apoio da população civil destituíram João Goulart e assumiram o poder. Já se foram 48 anos e muitos brasileiros ainda não conhecem essa parte importante da história do país, principalmente fatos históricos ocorridos em cidades como Juazeiro.  É como se houvesse uma névoa sobre o passado e tivéssemos receio de ir desvelando os véus que encobrem essa realidade.  

Felizmente, esses acontecimentos históricos começam a ser desvendados. Em maio deste ano, o Estado Brasileiro instituiu a Comissão da Verdade, com a finalidade de examinar, esclarecer as graves violações de direitos humanos, como prisões, mortes e desaparecimentos, praticados no período de 1964 a 1988. Tudo isso pelo direito à memória e à verdade histórica, como diz a Lei 12.528/11.

A imprensa também tem contribuído para buscar esclarecer os fatos históricos. Hoje, no Gazzeta do São Francisco, a jornalista em Multimeios, da Universidade do Estado da Bahia, Karem Moraes, nos contou parte dessa história ocorrida na cidade baiana.

Em 12 de maio de 1964, o vereador Manoel Lopes Sobreira pedia a cassação do representante de Jorge Gomes, do Partido Democrata Cristão (PDC), preso desde abril, acusado de subversão e comunismo. Em 14 de maio, a Câmara dos Vereadores, por meio do projeto de Resolução Número 127, cassa o mandato com a justificativa de que, estando preso, o vereador não poderia mais representar a Câmara e que a instituição não apoiava nenhuma atitude que denotasse amparo ao comunismo.

Radialista, proprietário do jornal Tribuna do Povo junto com o editor José Diamantino Assis (Zezito), Jorge Gomes não pertencia a nenhuma organização comunista. Foi vereador por três mandatos de 1951 a 1964.

Com a cassação, a Câmara dos Vereadores demonstrava que apoiava o golpe de Estado. Contudo, o vereador era inocente. Em fevereiro de 1965, a Câmara registrou em ata o recebimento de um radiograma vindo do Exército, que ordenava a volta de Jorge Gomes às suas funções políticas. De forma íntegra, o ex-vereador recusou-se.

Em carta enviada à Câmara dos Vereadores, no dia 12 de março de 1965, Jorge Gomes renunciava, de forma irrevogável, ao mandato e “afirmava aos colegas que não tinha delatado nenhum deles, mesmo àqueles que assinaram moção de solidariedade ao presidente Jango e ao então governador de Pernambuco, Miguel Arraes”.

A carta só foi registrada em ata no mês de novembro. Os vereadores silenciaram, bem como o gestor municipal, à época, Américo Tanuri.

Assim como Jorge Gomes, muitas pessoas aguerridas de Juazeiro foram presas, acusadas de pertencer ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Mestre Osvaldo, da Companhia de Navegação, o marceneiro Antônio Bigodinho, Seu Saul Rosas, Seu Benedito Pereira, Chico Romão e outros, cujas histórias de vida nem todos conhecem e que estão no esquecimento. Todos eles se dedicavam às causas populares e foram acusados de serem inimigos da nação.

Algumas pessoas são desaparecidos políticos, como Ruy Frazão, militante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), preso na feira de Petrolina-PE, na manhã de 27 de maio de 1974. A família não pode velar o corpo, não teve direito ao luto, ao choro.

Por causa de episódios tristes como esses, é preciso que se conservem os arquivos históricos. Muitas instituições, desrespeitando a Constituição Brasileira, queimaram, destruíram documentos. Felizmente, a Câmara dos Vereadores preservou as atas, que comprovam a cassação do vereador Jorge Gomes.

É preciso também que a imprensa procure esclarecimentos históricos sobre o passado. É preciso lembrar para contar aos nossos filhos, para garantir uma memória e uma verdade histórica. Para os familiares, sabemos que relembrar o passado é um momento de sofrimento. Relembrar de um pai, de um tio que sofreu a injustiça de ser preso, ameaçado na sua integridade física, é retomar um fio de um novelo, que estava esquecido. São lembranças tristes, causam dor.

Mas é preciso lembrar para não esquecer. É preciso lembrar para que assassinos não se mantenham impunes. Parabéns a Karem Moraes e ao Gazzeta do São Francisco, por nos contar essa história. Somente com acesso à verdade histórica, poderemos construir o futuro, sem receio do passado.

Andréa Cristiana Santos

5 comentários:

  1. Olá Professora Andrea Cristiana, que bom que essa história sobre o Golpe Militar na nossa região está sendo investigada, eu tinha curiosidades sobre esse assunto, mas sempre houve pouca informação a respeito, acho até que merece maiores desdobramentos, transmite a minha sugestão: esse tema merece um livro-reportagem...

    Um grande abraço, sabe que você contribuiu bastante com a minha formação profissional,

    Vinicius Gonçalves
    Comunicador da Cáritas
    Ruy Barbosa-BA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vinícius, que bom receber mensagem sua. Eu também fico feliz pela iniciativa de Karem Moraes de buscar esclarecer os impactos da repressão militar na cidade e as circunstâncias das prisões.Com certeza, é um excelente livro-reportagem. Karem fez um suplemento com diversas matérias, e eu a orientei no TCC. Mas é preciso que os documentos também se tornem públicos para que possamos conhecer o nosso passado, e possamos, de fato, seguir adiante.
      Por gentileza, me escreva para saber das novidades e do trabalho. Meu e-mail é o de sempre. Mas também para andcrissantos@gmail.com

      Excluir
  2. Parabéns pelos seus conteudos. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Francisco. Espero que continue a visitar o blog.

    ResponderExcluir
  4. Olá jornalista Andréa Cristiana!
    Lembro-me bem daquele fatídico primeiro de abril de 1964. No dia anterior, 31 de março, dia do meu aniversário, eu sentia algo estranho no ar, pois estava prevista uma reunião ou comício do pessoal com idéias mais ou menos socialistas, provavelmente à noite e, havia uma certa movimentação da polícia pela cidade, incluindo alguns elementos desconhecidos; acho que tinham chegado de Salvador. O Professor Francisco Romão Carneiro, o Chico Romão era meu Professor de Matemática, no Ginásio Dr. Edson Ribeiro, antigo Ginásio de Juazeiro. E foi pra mim e meus colegas de sala, uma surpresa desagradável, sabermos que nosso Professor havia sido preso. E o pior daquela situação, era o fato de os presos ficarem incomunicáveis. Ninguém sabia nada, como estavam eles nem para onde iriam. Geralmente dizia-se que iriam para Salvador. Acredito que era aquele o destino de todos eles. Lembro-me de que, ao saber da notícia, na porta do Colégio, quase ingenuamente pronunciei a seguinte frase: Esta é a revolução dos canalhas! Não sabia eu que, ali perto de mim, poderia estar um olheiro da polícia. Também eu era muito jovem, inexperiente e um pouco sem juizo. E, a partir daquela data, ninguém mais poderia expressar pensamento algum relacionado com idéias políticas, em especial idéias socialistas. Acho muito importante que se busque, pesquise e principalmente se escreva, sobre 1964 em Juazeiro. Foi uma época em que as mentes jovens de lá fervilhavam de idéias, não só culturais, como também artísticas, científicas e principalmente políticas. Se nosso saudoso historiador Walter de Castro Dourado ainda estivesse vivo, certamente escreveria um livro sobre aquela época e seus acontecimentos, incluindo o Golpe Militar de 1964, ou a Revolução, como diziam os militares de então. Parabéns por levantar esse assunto!

    Euvaldo Batista dos Santos
    Economista em São Paulo

    ResponderExcluir